A História em video

Loading...

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

No mundo das HQs

Quem não se lembra da infância e das belas histórias infanto-juvenis?
Muitas até permanecem na memória ao longo da vida!
Imaginárias, fantasiosas, contadas e encantadas, recheadas de mistérios, dramas, romances
e aventuras...
Certamente, nunca esquecidas!
 Histórias de príncipes, princesas, heróis, vilões, mocinhos, bandidos e tantos outros...
Denotadas viagens e/ou legados infantis!

E as em quadrinhos?

Você gosta de histórias em quadrinhos?

Então, escolha a sua pela faixa etária AQUI e boa leitura!

O incrível poder das Histórias em quadrinhos



Quadrinhos que viraram Filmes

Fonte de leitura: Já sei ler gibi

Recursos/Aprendizados: Gibi em sala

Estímulos/desafios: Aulas que estão no gibi

Responda!
Quem você seria no mundo das histórias em quadrinhos.



E mais:


sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Educação: Estímulos e desafios

Historicamente, o papel do professor sempre foi de grande relevância na sociedade, sobretudo no Velho Continente, e que só era possível pelas famílias mais abastadas, a contratar seus serviços eis que a educação não estava ao real alcance de todos. Era um prestigio de poucos. No Brasil Colonial, as famílias que possuíam essas condições, ofertavam aos seus filhos os ensinamentos e conhecimentos dos mestres, diretamente em suas residências. Prestigio esse que faz-nos relembrar de D. Pedro II, imperador Brasil, pela expressão: "Se não fosse imperador, desejaria ser professor. Não conheço missão maior e mais nobre que a de dirigir as inteligências jovens e preparar os homens do futuro", deferimento e reconhecimento a arte e/ou tarefa de ensinar - Dizem que ele só se curvava para o professor! Posteriormente, os afortunados eram reconduzidos aos colégios e universidades da Europa para receber os títulos advindos do letramento inicial, e outras especialidades etc.

De lá para cá, mudanças ocorreram e a educação deixou de ser um privilégio de alguns e passou a ser direito de todos. A Constituição Federal de 1988 em seu art. 205 assegura: "A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho". Destaque e grifo nosso. Podendo-se extrair que a educação é um direito de todos; um dever do Estado, da família e da sociedade ao pleno desenvolvimento do indivíduo, inclusive na conquista do trabalho, e consequentemente na independência, liberdade e cidadania, ou seja, uma educação que prepara e liberta, contrária da que aparta, discrimina e escraviza.

Destarte, tem-se original, e constitucionalmente, que educação é um dever de todos com determinação, participação e responsabilização de todos, inclusive com implantação de regras e limites, senão, dar-se-ia outro nome, porquanto ideal da Nação. É sempre oportuno lembrar que Educação não se traduz só com o professor; tampouco, somente a ele, imbricar responsabilidades, razão pelo qual muitos não queiram abraçar tamanho desafio. Mister será outras considerações, ponderações, e, colaborações.

Hodiernamente, o que se constata é o descompasso entre o razoável e o minimamente possível, oferecido pelo Estado. A sociedade sucumbe nos seus ideais quando não alcança o meio ou adequação ao fim proposto e desejado por todos, gerando grande insatisfação social. E neste descompasso, encontra-se o profissional da educação brasileira, inclusive exaurindo-se físico e emocionalmente pela falta do reconhecimento laboral ou na própria desvalorização diária da profissão como o que se lê in verbis.

          "Sou professora do Estado do Paraná e fiquei indignada com a reportagem da jornalista Roberta de Abreu Lima “Aula Cronometrada”. É com grande pesar que vejo quão distante estão seus argumentos sobre as causas do mau desempenho escolar com as VERDADEIRAS  razões que  geram este panorama desalentador.

          Não há necessidade de cronômetros, nem de especialistas  para diagnosticar as falhas da educação. Há necessidade de todos os que pensam que: “os professores é que são incapazes de atrair a atenção de alunos repletos de estímulos e inseridos na era digital” entrem numa sala de aula e observem a realidade brasileira. Que alunos são esses “repletos de estímulos” que muitas vezes não têm o que comer em suas casas quanto mais inseridos na era digital? Em que pais de famílias oriundas da pobreza  trabalham tanto que não têm como acompanhar os filhos  em suas atividades escolares, e pior em orientá-los para a vida? Isso sem falar nas famílias impregnadas pelas drogas e destruídas pela ignorância e violência, causas essas que infelizmente são trazidas para dentro da maioria das escolas brasileiras. Está na hora dos professores se rebelarem contra as acusações que lhes são impostas. Problemas da sociedade deverão ser resolvidos pela sociedade e não somente pela escola.
            Não gosto de comparar épocas, mas quando penso na minha infância, onde pai e mãe, tios e avós estavam presentes e onde era inadmissível faltar com o respeito aos mais velhos, quanto mais aos professores e não cumprir as obrigações fossem escolares ou simplesmente caseiras, faço comparações com os alunos de hoje “repletos de estímulos”. Estímulos de quê? De passar o dia na rua, não fazer as tarefas, ficar em frente ao computador, alguns até altas horas da noite, (quando o têm), brincando no Orkut, ou o que é ainda pior envolvidos nas drogas. Sem disciplina seguem perdidos na vida. Realmente, nada está bom. Porque o que essas crianças e jovens procuram é amor, atenção, orientação e ...disciplina.
             Rememorando, o que tínhamos nós, os mais velhos,  há uns anos atrás de estímulos? Simplesmente: responsabilidade, esperança, alegria. Esperança que se estudássemos teríamos uma profissão, seríamos realizados na vida. Hoje os jovens constatam que se venderem drogas vão ganhar mais. Para quê o estudo? Por que numa época com tantos estímulos não vemos olhos brilhantes nos jovens? Quem, dos mais velhos, não lembra a emoção de somente brincar com os amigos, de ir aos piqueniques, subir em árvores? E, nas aulas, havia respeito, amor pela pátria...Cantávamos o hino nacional diariamente, tínhamos aulas “chatas” só na lousa e sabíamos ler, escrever e fazer contas com fluência. Se não soubéssemos não iríamos para a 5ª. Série. Precisávamos passar pelo terrível, mas eficiente, exame de admissão. E tínhamos motivação para isso.
            Hoje, professores “incapazes” dão aulas na lousa, levam filmes, trabalham com tecnologia, trazem livros de literatura juvenil para leitura em sala-de-aula (o que às vezes resulta em uma revolução),  levam alunos à biblioteca e outros locais educativos (benza, Deus, só os mais corajosos!) e, algumas escolas públicas onde a renda dos pais comporta, até à passeios interessantes, planejados,  minuciosamente, como ir ao Beto Carrero. E, mesmo, assim, a indisciplina está presente, nada está bom. Além disso, esses mesmos professores “incapazes” elaboram atividades escolares como provas, planejamentos, correções nos fins-de-semana, tudo sem remuneração;
             Todos os profissionais têm direito a um intervalo que não é cronometrado quando estão cansados. Professores têm 10m. de intervalo, onde tem que se escolher entre ir ao banheiro ou tomar às pressas o cafezinho. Todos os profissionais têm direito ao vale alimentação, professor tem que se sujeitar a um lanchinho, pago do próprio bolso, mesmo que trabalhe 40 h.semanais. E a saúde? É a única profissão que conheço que embora apresente atestado médico tem que repor as aulas. Plano de saúde? Muito precário.    Há de se pensar, então, que são bem remunerados... Mera ilusão! Por isso, cada vez vemos menos profissionais nessa área, só permanecem os que realmente gostam de ensinar, os que estão aposentando-se e estão perplexos com as mudanças havidas no ensino nos últimos tempos e os que aguardam uma chance de “cair fora”.Todos devem ter vocação para Madre Teresa de Calcutá, porque por mais que  esforcem-se em ministrar boas aulas, ainda ouvem alunos chamá-los de “vaca”,”puta”, “gordos “, “velhos” entre outras coisas. Como isso é motivante e temos ainda que ter forças para motivar. Mas, ainda não é tão grave. Temos notícias, dia-a-dia,  até de agressões a professores por alunos. Futuramente, esses mesmos alunos, talvez agridam seus pais e familiares.
           Lembro de um artigo lido, na revista Veja, de Cláudio de Moura Castro, que dizia que um país sucumbe quando o grau de incivilidade de seus cidadãos ultrapassa um certo limite. E acho que esse grau já ultrapassou. Chega de passar alunos que não merecem. Assim, nunca vão saber porque devem estudar e comportar-se na sala de aula; se passam sem estudar mesmo, diante de tantas chances, e com indisciplina... E isso é um crime! Vão passando série após série, e não sabem escrever nem fazer contas simples. Depois a sociedade os exclui, porque não passa a mão na cabeça. Ela é cruel e eles já são adultos.
         Por que os alunos do Japão estudam? Por que há cronômetros? Os professores são mais capacitados? Talvez, mas o mais importante é  porque há disciplina. E é isso que precisamos e não de cronômetros. Lembrando: o professor estadual só percorre sua íngreme carreira mediante cursos, capacitações que são realizadas, preferencialmente aos sábados. Portanto, a grande maioria dos professores está constantemente estudando e aprimorando-se.
         Em vez de cronômetros precisamos de carteiras escolares, livros, materiais, quadras-esportivas cobertas (um luxo para a grande maioria de nossas escolas), e de lousas, sim, em melhores condições e em maior quantidade. Existem muitos colégios nesse Brasil afora que nem cadeiras possuem para os alunos sentarem. E é essa a nossa realidade! E, precisamos, também, urgentemente de educação para que tudo que for fornecido ao aluno não seja destruído por ele mesmo
            Em plena era digital, os professores ainda são obrigados a preencher os tais livros de chamada, à mão: sem erros, nem borrões (ô, coisa arcaica!), e ainda assim ouve-se falar em cronômetros. Francamente!!!
         Passou da hora de todos abrirem os olhos e fazerem algo para evitar uma calamidade no país, futuramente. Os professores não são culpados de uma sociedade incivilizada e de banditismo, e finalmente, se os professores  até agora não responderam a todas as acusações de serem despreparados e  “incapazes” de prender a atenção do aluno com aulas motivadoras é porque não tiveram TEMPO. Responder a essa reportagem custou-me metade do meu domingo, e duas turmas sem as provas corrigidas". Desabafo de uma professora do Colégio Estadual Júlio Mesquita, em resposta à Revista Veja, e a jornalista, Roberta Abreu, Edição 2170/10, "Aula Cronometrada". 

Paradoxalmente, notório e sabido é a importância desses profissionais pelo sucesso no desempenho de suas atividades e/ou especializações, sobretudo na Rede Pública de Ensino, haja visto os parcos recursos, desvios de interesses e ausência de vontade política a excelência, e mesmo não tendo reconhecimento de alguns segmentos da sociedade, dentre os quais parte da mídia e imprensa brasileira, continuam fazendo o grande diferencial pelo país.

Assim, da teoria à prática, dos estímulos e desafios ao desempenho diário e rotina profissional, tem-se, nossos educadores, e, portanto, berdadeiros guerreiros na luta por uma educação de qualidade, afinal, parafraseando o poeta, "Se cuidarmos da educação não carecemos construir cárceres".

Aliás, pelo relato, lamentável, Infelizmente, com o passar dos anos, e pela inércia do Estado, tenha-se que ler e/ou ouvir desabafos como o dessa educadora. Melhor será a observação, e laboratório in loco, a real análise de casos. Apesar dos "muros" a porta está aberta!

Saber mais: