A História em video

Loading...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Uma lição de afeto

Ao escolher uma profissão necessário questionar se se possui os requisitos necessários ao seu desempenho, sobretudo na reflexão a denominada "vocação" ou "chamamento" para o que se quer, deseja ou for realizar e, em especial,  na responsabilização diante da escolha.

O mínimo que se espera do profissional, em razão da sua escolha, é de que a exerça com profusão, dedicação e zelo, independente de ser esta ou aquela,  todas,  indistintamente, carecem da aptidão ao seu  exercício, excelência e práxis cotidiana.

O que, comumente, se observa é o indivíduo no lugar errado, exercendo uma profissão pouco ou quase nada condizente com a real aptidão e, consequentemente, desenvolvendo atividade pouco prazeirosa e/ou sem nenhuma satisfação em detrimento de todos.

E nesta lógica de raciocínio tem-se,  o Magistério. De acordo com as Teorias de Piaget, Wallon, Vygotsky, Paulo Freire e tantos outros, o Magistério além de exigir os requisitos mínimos, e necessários! Mister em qualquer profissão, carece ser exercido com carinho, dedicação e afeto. Não se busca tão somente o papel do professor repetidor de ideias e/ou mediador, mas sobretudo do mestre na arte de formar pessoas, cidadãos,  inserções várias no futuro.

Conceba-se um profissional da educação sem a proficiência necessária ao trato que a questão requer - e todos os dias, tem-se profissionais estressados, insatisfeitos, cobrados, criticados e responsabilizados!  Não é tarefa fácil a de se tornar um docente, professor. Muitos deles até preferem não se envolver nas questões individualizadas, cotidianas e/ou particulares, contudo, trata-se das relações humanas e sociais e, portanto, imensuráveis quando o assunto é a formação do ser pelo ser e os seus reflexos dentro da sociedade. Veja o que já dizia no século XIX, o então Imperador,  D. Pedro II,  sobre o assunto: " Se eu não fosse imperador, desejaria ser professor. Não conheço missão maior e mais nobre que a de dirigir as inteligências jovens e preparar os homens do futuro!".


Isso faz lembrar daquela professora. É, aquela que parecia um sargento do conhecimento, exigente, aulas chatas pela pouca permissividade ao interesse do aluno, mas que desempenhava o seu papel com dignidade, sobretudo com afeto. E aqui não se fala de afeto e do  tratar bem tão somente aquele que se quer bem, senão, nossos pais seriam sempre bonzinhos conosco, e não são raras as vezes em que nos punem para que tornemos pessoas melhores.

Certa vez, num dia desses especiais como o Dia das Mães, o aluno ao ser indagado pela mestre (a) sobre a mensagem a ser criada em alusão aquela data, ouviu deste o seguinte: Eu não tenho mãe! Aquilo a tocou muito. Como alguém não teria mãe? Num primeiro momento, imaginara que sua mãe teria falecido ou que ele teria sido criado por outra pessoa. Bem, a segunda hipótese foi a constatada, posteriormente. Aquele aluno estava sendo criado por outros parentes. Mas enfim, a partir de então, um nó de afeto foi estreitando o vínculo entre aluno e professora. Talvez muito maior que o de mãe e filho, parentesco ou outro qualquer, pareceu destino - vai saber! E alguém deve se perguntar, como assim? Então, consegue perceber a diferença entre a escolha da profissão almejada daquela "adequada" segundo o critério do melhor numerário ao final do mês? Não?!

A partir de então, tornaram amigos! Sempre que ele não tinha aula em sua sala, ou com outro professor, se dirigia a sala daquela professora. E lá, esta o acolhia, e claro, sob a ameaça de que caso não se comportasse o mandaria embora. Talvez se viam mesmo como mãe e filho! Mal sabiam que um dia essa amizade seria posta em xeque.

Anos depois, quando já não mais compartilhavam a mesma sala e/ou aulas, aquela professora ficou sabendo que aquele aluno estava numa situação muito difícil. Muito difícil mesmo! e precisando muito de sua ajuda. Ela, não mediu esforços e se dispôs em seu socorro. Notadamente sabia do caráter daquele "seu" ex-aluno do contrário não se arriscaria tanto, literalmente.

Aquela professora, em primeira análise, teria sido mal interpretada pela maioria, eis que não é comum alguém se dispor daquela maneira a ajudar alguém. Muitos dos seus colegas de profissão, e até outros alunos, provavelmente a teriam criticado, porém, a sua abnegação foi maior, inclusive até mais do que poderiam imaginar, acerca dos fatos, mas que mutuamente ao final, se ajudaram. Digo, mutuamente, porque a ajuda não beneficia só para quem dela precisa, mas significativamente para quem presta também, transformando-os em seres melhores.

E então? Captou a diferença entre fazer aquilo que se gosta? Ainda não?

Aquele professora ensinou,  ajudou, acompanhou, aconselhou, defendeu aquele aluno por muito tempo,  até que ele se tornasse adulto e dono do seu próprio destino. Ajudou no momento de angústia, sofrimento, desespero, constrangimento, humilhação, quiçá outros... Tornaram amigos, inclusive dos seus familiares, demonstrando o belo exemplo da amizade sincera, pautada no respeito e no afeto que devem nortear não só educadores e educandos,  dentro ou fora de sala de aula, mas em qualquer segmento da sociedade, e assim a experiência impar do compartilhar ao proveito de todos.

Aquele aluno e  sua família carregarão consigo a certeza da diferença que fez aquela professora em suas vidas, e lhes serão gratos. Provavelmente não esquecerão a aula de cidadania, respeito, solidariedade, fraternidade desprendida por aquela profissional, sobretudo  na diferença que se pode fazer no trato com outras pessoas.

Possivelmente, nunca a esquecerão e  lembrarão desta quando sobrevierem os filhos,  sobrinhos,  netos... E, esta, seguirá a sua vida, procurando fazer a diferença na vida de mais alguém...

Alunos?
Talvez... o tempo dirá.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

(Re) Aprendendo

Aquele ambiente de colegas
mais parece uma família
E, como tantas, também tem suas diferenças
De ciúmes, brigas ou intrigas
Ninguém escapa das desavenças.

Mas, como numa família que briga,
No final vem o perdão.
De forma que todos se ajudam,
Inclusive com alimentação.

Dizem até que tem ratos,
Ou ratazanas quem sabe
Ninguém me chame pra provar
Pois quero ficar de fora
Quando a bomba estourar
Pois dizem que até câmaras
Estão a fiscalizar.

De igual modo se juntam
Para com o colega lanchar,
Contudo, tem sempre um esperto
Que se mostra a usurpar.

No lanche ou nas refeições,
Como também no particular
Não adianta sequer guardar
O grande esperto oculto,
Aproveita o momento para furtar.

Vítimas voltam correndo
para seu alimento salvar
Contudo, o esperto do ratinho
mais rápido se põe a furtar.

Assim, de queijo, doce ou presunto
ovos ou frutos do mar
Noutro dia até o camarão sumiu
ninguém soube aonde foi parar
Contudo, os mais nervosos querem,
inclusive, o rato matar.

O danado do ratinho demonstra ter bom apetite
E até gosta de bebidas
refrigerantes, sucos ou vinho
sequer dispensa todinhos, iogurte ...
Porém, não quer saber de chocolates
deve ser pra não ficar gordinho.
  
Assim, caros colegas, 
jamais pensem em vingança,
tampouco passar em branco,
A ele declararemos guerra
nem que seja por instantes.

A partir desse momento todos firmes,
pois, mais vale uma consciência tranquila
ao instinto de onça.

Então, ao desavisado somente
um lembrete podemos deixar:
“Não furte o que não é seu
Eis que pode se encrencar”.

E muitos colegas questionam:
Porquê você não faz parte do grupo?
E aqui quero esclarecer:
No grupo sempre estive,
porém, nunca fui bobo
de alimento guardar,
Pois, quem guarda com forme;
alguém come em seu lugar!

E dizem que em família que briga,
também tem espaço ao perdão
De forma que todos se ajudam, 
inclusive ao ladrão
Que te tanta vergonha,
nunca mais furtou, então.

Assim vou me despedindo,
com forte abraço em todos
especialmente, e com carinho
aos que brincam de investigadores.

By Lu Magalhães